People Analytics: Conheça os benefícios nesse Guia atualizado 2019

people analytics introducao

Já pensou em ter uma gestão de RH muito mais otimizada, e ter à sua disposição uma metodologia capaz de medir e analisar coisas como o comportamento de seus funcionários, tudo para melhorar e revolucionar o funcionamento de sua empresa?

Saiba que isso não é uma realidade tão distante assim, e muitas empresas já estão tendo resultados incríveis simplesmente por saberem como usar e interpretar informações! E uma das técnicas que vem sendo muito utilizada para esse objetivo é o People Analytics. Você sabe o que ele é?

Hoje em dia, não podemos negar que ter informação é uma grande fonte de poder e influência, e saber como usá-la é ainda mais essencial para garantir o funcionamento do seu negócio.

A análise de dados surgiu como forma de permitir que as organizações pudessem transformar e aprimorar o desenvolvimento de diversas atividades, assim como o processo de contratação de funcionários por exemplo.

Como nenhuma empresa consegue funcionar sem um bom grupo de colaboradores, é essencial investir em planos de engajamento que os mantenham motivados e felizes em seu ambiente de trabalho. Afinal, é graças à eles que seu negócio é produtivo, não é mesmo?

Mas não se confunda! O People Analytics não é uma ferramenta, mas uma metodologia que visa aplicar essa captação de dados à gestão de pessoas, para que o RH consiga ter uma visão mais estratégica do papel de cada colaborador da empresa.

Eu sei que falando dessa forma parece ser uma coisa muito confusa e difícil de ser feita, mas é por isso que fiz este artigo! Aqui, eu vou te explicar exatamente como sua empresa pode aplicar essa metodologia, afinal, lidar com pessoas nem sempre é uma tarefa fácil, mas é essencial para que sua empresa consiga se destacar no mercado de trabalho.

Confira abaixo os tópicos que irei abordar ao longo do texto, e vamos começar!

O que é People Analytics

Bom, para explicar o que é o People Analytics, precisamos partir da premissa de que o funcionário é o bem mais valioso de sua empresa, e por isso é fundamental investir nele e mensurar itens como o que o faz se sentir motivado para que seja produtivo e feliz em seu ambiente de trabalho.

Mas como é possível medir esses itens que, aparentemente, podem variar – e muito – para cada colaborador? Por meio de dados.

O CEO da empresa Humanyze, Ben Waber, afirmou em uma matéria publicada pela Bloomberg BusinessWeek que: “Quando usamos dados para entender os comportamentos dentro do ambiente de trabalho que tornam as pessoas eficientes, felizes, criativas, especialistas, líderes, seguidores, enfim, estamos usando People Analytics”.

Mas como eu disse na introdução, ele não é uma ferramenta, mas sim uma metodologia que visa a coleta, organização e análise desses dados para que sejam aplicados à gestão de pessoas.

Seu objetivo é, além de proporcionar uma maior visão estratégica, ajudar a empresa na tomada de decisões sobre seus colaboradores. É a partir dessa maior valorização das pessoas que a contratante pode identificar tanto o que está funcionando na empresa, quanto problemas como baixa produtividade, baixo engajamento, insatisfação, e alto índice de turnover.

Eu sei que você está se perguntando quais são os dados a serem analisados e como pode coletá-los. Bom, o primeiro passo é buscar os registros dos funcionários na sua empresa, onde você verá informações como a jornada de trabalho, a folha de pagamento de cada um e as horas trabalhadas.

Mas não é só isso! As empresas também podem analisar essas informações por meio das redes sociais, por meio de pesquisas para avaliar o clima interno, ou diretamente com os funcionários, por meio de conversas sobre o desempenho de suas atividades, como eles estão se sentindo, suas expectativas e ambições profissionais.

Uma vez que essas informações são organizadas – geralmente por um software de gestão – fica muito mais fácil identificar os problemas que a empresa está passando para saber como solucioná-los.

De acordo com um estudo da consultoria Gartner, o People Analytics pode ser dividido em 4 níveis, sendo que cada um é responsável por responder a uma pergunta específica:

  • Descriptive analytics – aqui, os dados ajudam a compreender o que aconteceu em um período de tempo no passado;
  • Diagnostic analytics – ajuda a identificar a causa de um problema;
  • Predictive analytics – extrai informações de dados históricos e combina técnicas avançadas de estatística e inteligência artificial para ajudar a prever cenários futuros;
  • Prescriptive analytics – ajuda a identificar o que pode ser feito para resolver um problema, minimizando possíveis efeitos colaterais negativos.

Qual a tradução?

De forma literal, podemos traduzir o People Analytics como  a “análise de dados e pessoas”. E é a partir dessa análise das informações dos funcionários que o RH consegue identificar o comportamento dos colaboradores.

Agora, você sabia que esse processo já existe há bastante tempo? Mas como ele começou a ganhar mais força com os avanços tecnológicos, é de se esperar que as empresas que aplicavam essa metodologia há 10 anos, por exemplo, tinham mais dificuldade, e demoravam muito mais tempo para recolher todos os dados.

Mas hoje, o surgimento de diversos softwares de análise de dados tornaram essa prática muito mais acessível e rápida, e a tornaram vital para uma melhor gestão de pessoas. Para te ajudar a entender o que estou falando, dá uma olhada nessa pesquisa:

Em um estudo publicado pela Deloitte em 2018, denominado Deloitte’s 2018 Global Human Capital Trends, 84% dos entrevistados consideram o people analytics como algo extremamente importante, classificando-o em segundo lugar na lista de tendências para prestar atenção.

Ainda de acordo com o mesmo estudo, 69% das empresas americanas estão integrando dados para gerir pessoas. Viu só como essa metodologia está se tornando cada vez mais presente entre as empresas por todo o mundo?

Por isso, que tal vermos em detalhes os principais benefícios que ele traz?

Benefícios do People Analytics

people analytics beneficios

Todos sabemos que hoje o departamento de recursos humanos deixou de ser somente um setor responsável por questões burocráticas. E com a ajuda da tecnologia, o futuro do RH já chegou, e possibilitou que suas tarefas pudessem ser resolvidas de forma muito mais otimizada e estratégica.

Prestar uma maior atenção nos funcionários, no que os motiva, elaborar planos de carreira e trabalhar na sua cultura organizacional são apenas algumas das funções que são cada vez mais necessárias. 

E de tudo isso que te falei, posso te garantir uma coisa: sua empresa perceberá uma série de melhoras com o uso do People Analytics. Quer saber quais?

Aumentar Engajamento

Um estudo publicado pela plataforma de reviews profissionais Glassdoor revelou que o engajamento médio dos colaboradores, em uma escala de 1 a 5, é de apenas 3,1.

Cada vez mais as empresas têm se preocupado em métodos que façam com que seus funcionários se sintam mais engajados, afinal, esse sentimento impacta diretamente no funcionamento das instituições.

Como exemplo, uma pesquisa feita pelo instituto Gallup mostrou que as empresas que possuem funcionários engajados podem ter um aumento de cerca de 20% em sua produtividade e em seus lucros.

E aqui, a análise de dados com certeza irá te ajudar a alcançar esse objetivo. É a partir da coleta dessas informações sobre os funcionários que as empresas podem descobrir o que faz com que eles se unam e o que os motivam.

Agora, é importante não só descobrir essas causas, mas também saber elaborar planos e ações que alcancem os resultados desejados. Afinal, funcionários engajados são mais produtivos, e podem permanecer mais tempo na empresa.

Acompanhamento da Produtividade

Como consequência do tópico anterior, implantar medidas que visem aprimorar o engajamento dos colaboradores também contribui para uma maior produtividade no trabalho, que é diretamente afetado devido principalmente à falta de motivação.

Uma pesquisa feita pela McKinsey em 2018 também mostrou dados preocupantes. Em uma escala de 1 a 100, a nota média de motivação de mais de 167 mil pessoas entrevistadas e que trabalham em mais de 70 organizações, foi de apenas 45.

Com esses dados, já dá para imaginar a importância de saber não só as principais causas dessa alta desmotivação, mas principalmente como combatê-la. Todas essas informações podem ser respondidas a partir do uso do People Analytics.

Apesar desse estudo ter destacado a falta de reconhecimento e de oportunidades de carreira como as principais causas da desmotivação, ela pode ocorrer por vários outros fatores, como devido ao acúmulo de tarefas ou até mesmo por ter que trabalhar em um ambiente extremamente competitivo.

É a partir de uma boa análise de dados que as empresas conseguem, dessa forma, saber identificar essas causas e o que pode ser feito para solucionar o problema. Afinal, ninguém consegue ser produtivo se sentindo desse jeito, não é mesmo?

Recrutamento

E se eu te dissesse que essa coleta de dados pode ajudar sua empresa na contratação de funcionários?

É isso mesmo que você leu. Um bom processo de recrutamento é capaz de atrair candidatos com alta qualidade profissional, o que consequentemente melhora e muito o funcionamento da organização.

Para isso, é fundamental juntar todos os dados das pessoas que se candidatarem, para que os gestores tenham uma maior facilidade na hora da entrevista e na tomada de decisão.

Com isso, você será capaz de saber quais candidatos estão mais alinhados à sua cultura organizacional, assim como quais estão mais preparados e se identificam mais com a vaga em questão.

Cuidado e Bem estar dos colaboradores

people analytics cuidado e bem estar

Agora, o People Analytics ainda pode trazer um benefício enorme: garantir o bem estar dos colaboradores. Sabe como? Vou te explicar com um exemplo.

A empresa IBM, da indústria do aço, decidiu instalar alguns sensores nas pulseiras e capacetes de seus funcionários. 

Esses sensores são capazes de coletar diversos dados e enviá-los em tempo real aos gestores, o que permite que eles saibam coisas como se o funcionário está se movendo, se está com uma variação fora do normal de seu batimento cardíaco, e se a temperatura do ambiente está maior do que o usual, e que pode causar estresse ou outro mal estar.

Em qualquer situação de perigo, os supervisores são imediatamente avisados, o que os auxilia a solucionar o problema rapidamente e a evitar acidentes.

Viu só como a análise de dados pode beneficiar as empresas de diversas formas? Por isso, que tal saber de vez como implementar essa metodologia?

Como implementar o People Analytics na sua empresa

A primeira coisa que você precisa saber é que todo o processo de implantação do People Analytics deve estar integrado com a gestão de recursos humanos da sua empresa. Afinal, todos os dados que são coletados são obrigatoriamente analisados por esse setor.

E ainda antes que esse processo comece de fato, você deve se atentar à alguns fatores essenciais e saber responder à estas perguntas: qual o tamanho da sua empresa, qual a complexidade e rigidez de seu sistema atual de gestão de RH, e quais os dados que são mais importantes de serem acompanhados.

Uma vez que você tenha essas respostas, já é possível começar a implantação dessa metodologia. E eu separei a seguir um passo a passo para você seguir.

  1. Determine um objetivo

Para começar, o RH deve fazer um levantamento de todos os problemas que a empresa tem, e que fizeram com que buscasse a ajuda do People Analytics.

Como exemplo, algumas das situações mais comuns são: a busca da melhor performance dos funcionários; prever como será o desempenho de um novo colaborador; ou até mesmo qual o perfil ideal de um funcionário para uma determinada vaga.

  1. Colete os dados

O próximo passo é juntar todas as informações adquiridas. Mas cuidado! Esse processo deve ser feito com cuidado, pois não basta juntar esses dados de qualquer forma.

Aqui, além de ser importante analisar não só o desempenho do funcionário, o RH deve se atentar nos motivos que causaram o caso em questão. A partir disso, você deve também buscar a frequência desses dados, para que sua empresa não perca tempo analisando um comportamento de acaso.

  1. Defina métricas e indicadores

Se esses passos forem feitos com cuidado, você já terá em mãos uma boa quantidade de material bruto. Mas muitas vezes, essa grande quantidade de informações pode dificultar e muito que sua empresa consiga separar o que realmente é necessário para analisar.

Por isso, a terceira etapa é definir métricas e indicadores para esses dados. O objetivo é contextualizá-los para que se consiga analisar todos os valores sob a mesma perspectiva.

  1. Encontre a correlação entre os dados

Antes que você possa de fato buscar soluções para os problemas encontrados, sua empresa precisa buscar uma correlação entre as informações que forem encontradas. Imagino que você esteja se perguntando o porquê.

Vamos supor que você solicite que uma equipe realize uma atividade específica, e que depois atribua uma nota para o desempenho de cada um dos envolvidos. Após um determinado tempo, é importante avaliar se as notas dadas refletem de fato no desempenho deles, ou seja, se há uma correlação entre esses valores com o que cada colaborador demonstrou durante a realização da tarefa.

  1. Preveja o futuro

Por fim, aqui o RH já consegue organizar planos para solucionar os problemas encontrados. E isso é uma forma de prever o futuro, pois sua empresa já saberá como lidar nessas situações.

A partir dos resultados obtidos, sua organização também pode elaborar cálculos que demonstrem a probabilidade de uma situação parecida ocorrer.

Se você seguir esse passo a passo, tenho certeza de que terá ótimos resultados com essa metodologia. Mas nada te convence mais a tomar uma decisão do que saber de empresas que passaram pelo mesmo para contarem suas experiências.

Eu vou te mostrar alguns cases de sucesso daqui a pouco! Antes disso, eu preciso te explicar a relação do People Analytics com o Big Data, que é uma ferramenta que também vem sendo muito usada pelas organizações com o mesmo objetivo.

People Analytics e Análise de Dados e Big data

people analytics analise de dados e big data

Muitas pessoas acabam confundindo os conceitos do People Analytics com o Big Data. E de certa forma, essa confusão é compreensível, já que os dois estão extremamente relacionados entre si.

Nós podemos dizer que o Big Data é a matéria prima do processo do People Analytics. Sabe porquê?

Como eu disse ao longo do texto, o People Analytics é uma metodologia que visa a junção de dados relacionados aos colaboradores, para que sejam analisados e usados para otimizar a gestão de pessoas. 

O que eu ainda não te falei é que esse processo de junção dos dados recebe o nome de Big Data. Ou seja, é quando a empresa recebe e armazena grandes volumes de dados, estruturados ou não, vindos das mais diversas fontes, com o objetivo de analisá-los em busca de informações que permitam a tomada de melhores decisões.

E é a partir dessas informações provenientes do Big Data que começa o People Analytics, que como expliquei, irá cruzá-los, analisá-los e transformá-los em informação organizada e útil para a área de gestão de pessoas.

E aqui vale lembrar o que mencionei no tópico anterior. Não adianta nada extrair uma grande quantidade de informações se sua empresa não souber separar o que for realmente importante e necessário para atingir as metas desejadas.

Por isso, vamos falar agora sobre algumas empresas que já aplicaram essa metodologia e tiveram ótimas experiências.

Cases de Sucesso

Se você chegou até aqui, então viu como o People Analytics pode trazer uma série de benefícios para a sua empresa. Para reforçar a mensagem que quero te passar, eu separei a seguir alguns exemplos de organizações que implantaram essa metodologia, para você ver na prática como funciona.

Case 1 – Nielsen

O primeiro caso que vou citar é o da Nielsen, empresa global de pesquisas de mercado.

A organização estava passando por um grande problema: vários de seus funcionários estavam deixando a organização. Sem entender o motivo, o líder do programa do People Analytics da empresa, Piyush Mathur, resolveu investigar os motivos que estavam levando os colaboradores a pedirem demissão.

Mas ao invés de rastrear dados exatos, a Nielsen usou um modelo que gerou insights sobre como reter mais colaboradores. Com isso, eles conseguiram identificar os atributos dos funcionários que tinham uma maior probabilidade de deixar a empresa dentro dos próximos 6 meses.

Para solucionar o problema, eles buscaram conversar diretamente com cada colaborador sobre o que estavam sentindo, e o resultado foi este: 40% dos funcionários foram realocados em outra área que se identificavam mais.

Além disso, a organização criou dois programas: o Golden Year, que acompanha de perto o primeiro ano do funcionário na empresa; e o Ready to Rotate, que busca capacitar os funcionários a buscarem novos desafios na empresa.

A equipe de People Analytics descobriu que fazer um movimento lateral aumenta a chance de um profissional ficar na empresa em 48%.

Case 2 – Seguradora norte-americana

Segundo pesquisadores ligados à McKinsey, uma seguradora norte-americana estava apresentando um alto índice de desgaste nas relações e rotatividade de suas equipes.

A primeira forma que usaram para tentar solucionar o problema foi oferecer um bônus aos colaboradores que optassem por continuar na empresa. Como isso não adiantou, eles decidiram reunir dados e criar perfis de profissionais propensos a deixar o emprego.

Após analisarem uma grande quantidade de dados, como perfil demográfico; formação profissional e educacional e avaliação de desempenho, eles chegaram à conclusão de que profissionais de equipes pequenas, com promoções espaçadas por longos períodos e cujos gestores demonstravam baixo desempenho, eram mais propensos a sair.

Mas agora, como a seguradora conseguiu resolver a situação e fazer com que eles permanecessem na empresa? Sua principal ação foi oferecer mais oportunidades de desenvolvimento e apoio de um gestor mais capacitado para a gestão de pessoas.

De acordo com os pesquisadores: “O desempenho e a retenção de ambos melhoraram, com uma economia significativa, mostrando mais uma vez a importância de se vasculhar dados. Quando bem aplicado, o People Analytics traz mais justiça, poupa tempo e gastos. Às vezes, até de forma contra-intuitiva”.

Case 3 – Agência Tboom

O sócio e diretor de planejamento da agência Tboom, Leandro Ogalha, contou como uma ferramenta de gestão do trabalho que ele considera também uma ferramenta de People Analytics, trouxe visibilidade dos dados e o ajudou como líder.

Para ele, a ferramenta usada permitiu que ele tivesse informações como quem está fazendo o que naquele momento, quanto tempo você gasta para produzir e quando irá entregar aquele projeto.

Em entrevista à Runrun.it, ele afirmou que: “Um líder precisa se dedicar ao aprimoramento da carreira dos membros da sua equipe. Mensurar o desempenho de uma equipe, onde ela tem de se desenvolver e criar metodologias para valorizar seu trabalho, direcionar o desempenho dos profissionais, criar programas de incentivo aos profissionais e desenvolvimento de carreira. Isso beneficia a empresa toda”.

People Analytics é Muito complexo?

people analytics e muito complexo

Eu espero que, ao final deste artigo, sua resposta para essa pergunta seja que não! Afinal, a proposta do People Analytics é simples, e hoje em dia as empresas têm à disposição uma série de sistemas e ferramentas para ajudá-las nessa captação e análise de dados.

E dentre essas ferramentas, uma das mais importantes e que deve ser destacada é a gestão de ponto, que como eu disse no começo do texto, é uma das fontes de coleta de dados dos funcionários.

É a partir de uma boa gestão de ponto que os gestores conseguem ter acesso à diversas informações dos funcionários como a jornada de trabalho de cada um, a quantidade de faltas, atrasos e horas extras por exemplo, que também são indicadores que ajudam a empresa a medir itens como a produtividade dos funcionários.

O sistema da PontoTel é um ótimo exemplo que pode trazer  inúmeros benefícios para o gerenciamento da sua organização. 

Ele permite que os gestores tenham acesso em tempo real à dashboards customizáveis, que são painéis que mostram métricas e indicadores importantes para alcançar objetivos e metas traçadas, ou para realizar planejamentos estratégicos. 

Além disso, todas as informações dos colaboradores podem ser encontradas em nosso relatórios personalizados, que possibilitam que o gestor visualize tudo que está acontecendo na empresa ou por equipes. 

Por fim, a PontoTel também desenvolveu um painel de acompanhamento customizável que possibilita à empresa acompanhar em tempo real a quantidade de horas extras,atrasos, quantas colaboradores faltaram e muito mais. 

Ficou curioso para conhecer mais todas as funcionalidades que nossos sistema oferece? Não perca tempo e agende já uma demonstração! Afinal, se sua empresa pretende aplicar o People Analytics, ter um bom sistema de gestão e controle de ponto pode te ajudar e muito na implantação dessa metodologia!

Conclusão

people analytics conclusao

Se você quer ter uma gestão de pessoas muito mais otimizada, o People Analytics é uma ótima forma de alcançar esse objetivo!

Afinal, quando a empresa entende a importância do colaborador para seu funcionamento, e começa a focar em planos que o motivem em seu ambiente de trabalho, com certeza ela conseguirá reter mais talentos e, consequentemente, aumentar sua produtividade.

Se você gostou deste texto, compartilhe nas redes sociais e continue sua visita em nosso blog!

yH5BAEAAAAALAAAAAABAAEAAAIBRAA7 - People Analytics: Conheça os benefícios nesse Guia atualizado 2019


Rolar para cima
WhatsApp chat

Receba todas as novidades do nosso blog

Inscreva-se na nossa newsletter
e receba matérias exclusivas
no seu email

popup newsletter teste5 3 - People Analytics: Conheça os benefícios nesse Guia atualizado 2019

Não saia agora! Venha conhecer o PontoTel

O aplicativo de controle de ponto em tempo real
que você economiza tempo e dinheiro com cálculos automáticos e gestão de ponto completa.