Entenda o poder do ecossistema empresarial: estrutura, benefícios e como construir
BLOG
Time Pontotel 18 de junho de 2024 Gestão Empresarial
Entenda o poder do ecossistema empresarial: estrutura, benefícios e como construir
Descubra como as organizações de todos os setores podem colaborar, inovar e criar valor em conjunto por meio de ecossistemas empresariais.
Imagem de Entenda o poder do ecossistema empresarial: estrutura, benefícios e como construir

Ecossistema empresarial é uma das expressões que está se tornando onipresente no mundo corporativo. Isso se deve, principalmente, ao fato de que as empresas mais valorizadas do mundo são aquelas que entendem seus modelos de negócio como parte de ecossistemas capazes de gerar valor ao cliente de forma eficiente e rápida.

Os tradicionais obstáculos que dificultavam os modelos de parceria em tempos anteriores foram drasticamente reduzidos com a ajuda das ferramentas digitais. No entanto, a maioria das empresas ainda não está estruturada para fazer parcerias eficientes nem está culturalmente alinhada com o dinamismo exigido por ecossistemas empresariais.

Para entender mais sobre o assunto, continue a leitura deste guia sobre como funciona um ecossistema empresarial, quais são os principais exemplos e as maneiras de construir esse tipo de rede. Abaixo, estão os pontos centrais que serão explicados mais adiante:

Aprenda tudo sobre o conceito de ecossistema empresarial!

O que é um ecossistema empresarial?

Quatro mãos segurando peças de quebra -cabeça juntas

Ecossistema empresarial pode ser definido como uma rede de vínculo e apoio entre diferentes organizações. Essa conexão é pautada por princípios como interdependência, cooperação, criação de valor e dinamismo entre as partes envolvidas. 

O economista e professor da Universidade da Califórnia, David John Teece, define o que é um ecossistema empresarial no livro “The Palgrave Encyclopedia of Strategic Management” (“A Enciclopédia Palgrave de Gestão Estratégica”):

“Um ecossistema empresarial é composto por empresas interdependentes que utilizam padrões comuns e fornecem coletivamente bens e serviços aos seus clientes. O envolvimento eficaz dos participantes do ecossistema requer algum nível de gestão do ecossistema, incluindo regras para a participação de outras empresas. […] A saúde de cada empresa no ecossistema depende da vitalidade de todas as empresas que partilham o sistema.”

Como funciona um ecossistema empresarial?

O funcionamento de um ecossistema empresarial pode ser comparado a um ecossistema natural. É uma relação multifacetada entre participantes, porque a cooperação e a competição coexistem para fomentar o crescimento e a inovação.

Aqui estão alguns pontos-chave para entender como essas relações funcionam e quais são as possibilidades reais em um ecossistema empresarial:

  • Interdependência: o sucesso de um participante muitas vezes depende do sucesso dos outros. Uma empresa de tecnologia, por exemplo, pode depender de fornecedores, desenvolvedores, distribuidores e profissionais para fornecer feedbacks para melhorar produtos e serviços;
  • Coopetição: esse termo combina “cooperação” e “competição”. As empresas podem colaborar em certos aspectos, como na pesquisa e desenvolvimento e no compartilhamento de recursos ou padrões tecnológicos, enquanto competem em outros, como na venda de produtos ou serviços finais ao consumidor;
  • Inovação colaborativa: empresas dentro do ecossistema compartilham conhecimento, tecnologia e recursos para criações que talvez não pudessem desenvolver sozinhas;
  • Criação de valor: em um ecossistema bem-sucedido, todas as partes envolvidas conseguem criar e capturar valor. Isso significa que as relações são mutuamente benéficas e não simplesmente transacionais;
  • Diversidade: a diversidade em um ecossistema empresarial, tanto em termos de tipos de empresas quanto de ideias, é uma base para a inovação. Diferentes perspectivas e capacidades criam uma gama de oportunidades e soluções;
  • Orquestradores e plataformas: muitas vezes, um ecossistema tem um ou mais orquestradores, que são entidades que coordenam as interações entre os participantes. Plataformas tecnológicas, como marketplaces ou sistemas operacionais, frequentemente assumem esse papel, fornecendo a infraestrutura necessária para a colaboração;
  • Sustentabilidade: as participantes são incentivadas a adotar práticas sustentáveis, não apenas para cumprir leis, mas também para aumentar a resiliência e a longevidade do ecossistema.

A chave para o funcionamento de um ecossistema está em criar valor compartilhado, inovar continuamente e gerenciar as complexas relações entre os seus participantes.

Exemplos de ecossistemas empresariais

Em várias partes do mundo são encontrados exemplos de ecossistemas empresariais. O Vale do Silício é um dos casos mais emblemáticos do século XXI. Localizado na Califórnia, o Vale do Silício tem uma rede composta por um vasto número de empresas de tecnologia, startups, universidades, instituições financeiras e capital de risco.

Foi nesse polo global de inovação que surgiram gigantes da tecnologia como Apple, Google, Facebook e Tesla. A proximidade das empresas facilita a troca de ideias e a colaboração em novos projetos inovadores.

No Brasil, os ecossistemas empresariais também reúnem empresas de diferentes tamanhos e setores, como o caso da Sankhya, uma das maiores empresas provedoras de Soluções Integradas de Gestão Corporativa (ERP).

A Sankhya foi pioneira ao anunciar, em 2019, o conceito EIP (Enterprise Intelligence Platform), uma plataforma que conecta dados de uma empresa com o mercado e realiza análises preditivas com base no comportamento dos usuários.

As empresas que fazem parte do ecossistema Sankhya incluem a Neppo (atendimento), Pontotel (gestão de ponto), Ploomes (gestão do pipeline de vendas), Meetime (conversão de leads), Mindsight (recrutamento e seleção) e ASIS (gestão tributária).

Quais as etapas de um ecossistema empresarial? 

Segundo o estrategista de negócios James Moore, em artigo publicado na Harvard Business Review em 1933, cada ecossistema empresarial se desenvolve em quatro etapas: nascimento, expansão, liderança e autorrenovação — ou, se não for autorrenovação, morte.

As fases se sobrepõem, e os desafios de gestão de uma fase muitas vezes surgem em outra. A seguir, entenda o que está envolvido em cada uma delas.

  1. Nascimento: nos passos iniciais, empresas pioneiras identificam oportunidades de mercado e desenvolvem novas tecnologias ou modelos de negócios. Os principais desafios neste momento envolvem a busca por financiamento, a construção de uma base de clientes e a validação do conceito do produto ou serviço;
  2. Expansão: o foco agora é escalar as operações e aumentar a participação de mercado. As empresas trabalham para melhorar a eficiência, ampliar a sua base de clientes e aumentar as suas capacidades de produção;
  3. Liderança: as empresas do ecossistema estabelecem-se como líderes de mercado e trabalham para manter a posição. Esta fase exige uma gestão das operações e das relações com os parceiros, além de um foco em inovação para evitar a estagnação;
  4. Autorrenovação (ou morte): a autorrenovação é a capacidade de se adaptar a mudanças tecnológicas, econômicas e sociais, reinventando-se para permanecer relevante e sustentável. Empresas que não se adaptam enfrentam o declínio e desaparecem do ecossistema, enquanto outras surgem para ocupar o lugar.

Tal como os ecossistemas naturais, as empresas que participam de ecossistemas empresariais estão competindo para se adaptar e conseguir a sobrevivência ou evitar a extinção.

Qual a importância de um ecossistema de empresas?

Ecossistemas empresariais existem porque empresas descobriram que trabalhar juntas pode ser mais eficiente e lucrativo do que trabalhar isoladamente. Como integrantes de uma rede, as organizações têm a possibilidade de se concentrar no que fazem de melhor, enquanto outros membros cuidam de outras partes do seu processo.

Por exemplo, 68% de todas as empresas sentem que não obtêm o valor total dos seus investimentos em tecnologia, de acordo com um relatório do Everest Group. No entanto, muitas vezes não se trata apenas da tecnologia que uma empresa tem, mas de quão bem ela a usa para se conectar com outras empresas e profissionais.

Os maiores ecossistemas de negócios viabilizam acesso à tecnologia, porque contam com rede de relacionamentos com fornecedores, parceiros, clientes e concorrentes. Assim como na natureza, onde diferentes espécies se beneficiam umas das outras, as empresas podem se beneficiar da expertise de organizações do mesmo ecossistema.

Quais as vantagens de um ecossistema empresarial? 

Um dos maiores benefícios de fazer parte de um ecossistema empresarial são as barreiras à concorrência. Os novos “players” de um determinado mercado não só precisam melhorar o produto principal, mas também precisam competir contra a rede já estabelecida de empresas, fornecedores e stakeholders que formam um ecossistema inteiro.

Mas, além da vantagem competitiva, existem outros benefícios de um ecossistema empresarial. Veja quais são elas a seguir.

Foco nas necessidades humanas

Em vez de apenas buscar lucro, esses ecossistemas têm uma visão mais ampla, pois as empresas se preocupam em como seus produtos e serviços beneficiam realmente as pessoas. Portanto, colaborando com outros membros, as organizações podem desenvolver produtos e serviços que sejam relevantes e impactantes na vida dos clientes.

Colaboração para enfrentar problemas

Desafios que as empresas enfrentam, como questões ambientais, regulatórias e tecnológicas complexas, podem ser resolvidos quando múltiplas partes interessadas trabalham juntas. Em um ecossistema, o objetivo é que diferentes empresas possam compartilhar recursos e experiências para superar obstáculos e aproveitar oportunidades.

Parcerias estratégicas

Empresas que fazem parte de um ecossistema também acabam se beneficiando de conexões com outras organizações com competências complementares. Uma startup, por exemplo, pode se associar a grandes fornecedores para acelerar sua produção e o lançamento de novos produtos no mercado.

Como construir um ecossistema empresarial?

Um grupo de empresários está sorrindo e olhando para um laptop

A motivação para desenvolver um ecossistema empresarial pode vir tanto de empresas já estabelecidas em seu setor quanto de startups que buscam financiamento. Em ambos os casos, a criação de uma rede de negócios requer planejamento e estratégias. 

Identificação dos atores

A escolha dos atores pode variar segundo as necessidades de cada setor. No caso de um ecossistema de energia renovável, por exemplo, os envolvidos podem incluir fabricantes de painéis solares, empresas de instalação, distribuidores e investidores em energia verde.

Para soluções tecnológicas na área média, as partes interessadas podem ser hospitais, clínicas, empresas de biotecnologia, startups, seguradoras de saúde e até reguladores governamentais ou pacientes.

Em alguns setores, a participação de entidades acadêmicas também é interessante. Universidades e centros de pesquisa são capazes de fornecer orientação sobre novas pesquisas, desenvolvimento de novas tecnologias e educação contínua.

Definição de objetivos comuns

A falta de objetivos pode gerar desalinhamento e casos em que os participantes têm visões conflitantes. As metas devem ser compartilhadas e refletir as necessidades do setor que une os participantes do ecossistema.

No contexto de um ecossistema de saúde, por exemplo, hospitais, startups de biotecnologia, seguradoras e pacientes devem colaborar para definir objetivos como melhorar o acesso a tratamentos e reduzir os custos de cuidados.

Estabelecimento de regras e regulamentos

Os ecossistemas empresariais não estão completos sem regulamentos que orientem as ações dos participantes. As normas podem tratar de questões como propriedade intelectual, compartilhamento de dados, padrões de qualidade e responsabilidade social. O objetivo é garantir que os participantes do ecossistema possam aproveitar um ambiente de crescimento e inovação com benefícios mútuos.

Conclusão

Os ecossistemas empresariais podem nascer em todos os setores, e empresas interessadas em inovação têm a oportunidade de serem pioneiras nesse movimento.

Como foi visto neste artigo, a chave para o funcionamento de um ecossistema está em contar com atores dispostos a trabalhar sob princípios como interdependência, cooperação, criação de valor e dinamismo.

Se quiser mais informações sobre tecnologias para o mundo corporativo, dicas para o RH e estratégias de gestão empresarial, confira os posts recentes do blog Pontotel.

Compartilhe em suas redes!
Mais em Gestão Empresarial VER TUDO
INICIAR TOUR!