Entenda o que é o Big Data e qual a importância dessa ferramenta para gestão de pessoas

imagem de uma mulher sentada na frente de um computador, segurando um tablet e escrevendo em um caderno

Em meio à evolução tecnológica que o mundo está vivendo, é bastante provável que o termo Big Data seja familiar para você e boa parte da população. Porém, apesar do termo estar cada vez mais presente no dia a dia, entender o que é Big Data e como ele pode ser aplicado é um desafio para profissionais que não são especialistas em tecnologia. 

O big data é comumente utilizado para realização de análises sobre um determinado assunto ou empresa, por exemplo, pois é nele que estão reunidas todas as informações existentes deste tema. Por essa característica, passou a ser uma ferramenta para diversas áreas, exigindo uma atualização do mercado sobre Big Data e Inteligência Analítica.

Um dos setores que pode ser beneficiado pela tecnologia é o de recursos humanos. Por isso, neste artigo, vamos abordar todos os detalhes sobre o tema: para que serve o Big Data, quais são os benefícios e como pode ser aplicado pelos profissionais de RH.

Quer saber mais sobre o assunto? Então, continue a leitura.

otimize seu controle de ponto e ganhe tempo para sua gestão

O que é Big Data?

Antes de partirmos para a aplicação e as vantagens do Big Data, é essencial entender o que significa e o que é a ferramenta. Na tradução para o português, o termo significa “grandes dados”. Trata-se de vários conjuntos de dados extremamente grandes que podem ser analisados por meio de sistemas que auxiliam a revelar padrões, tendências e associações. 

Do ponto de vista empresarial, o Big Data é, então, o agrupamento de informações da companhia e/ou do mercado em que está inserida em um banco de dados de servidores e que podem ser acessados remotamente para análise.

Alguns especialistas e executivos enxergam o Big Data como qualquer dado que pode ser coletado e armazenado sobre um determinado assunto. 

Como surgiu o Big Data?

O conceito de Big Data não é novo, afinal, reunir informações sobre diversos assuntos é uma prática antiga da humanidade. Quem nunca visitou uma biblioteca para fazer trabalhos da escola quando ainda não existia o Google e a Wikipedia. 

Entretanto, o Big Data na definição como conhecemos hoje só foi conceituado em 2000, quando a internet e o avanço tecnológico estava em expansão. Doug Laney, instrutor em tópicos de estratégia de dados e análises, definiu a ideia dos 5 V’s que abordaremos mais abaixo. 

O Big Data foi mais difundido, porém, em 2005, com um artigo de Roger Magoulas, que também está relacionado com o surgimento do conceito de Web 2.0.

Para que serve o Big Data?

imagem de um homem sentado na frente de dois computadores

Sendo o Big Data um grande banco de dados sobre determinado tema ou empresa, o objetivo é que, com apoio de soluções específicas, seja realizada a análise de um número alto de dados não estruturados, em uma velocidade alta. Desta forma, os profissionais de tecnologia da informação podem interpretar todo esse volume de maneira mais eficaz.

Apesar das ferramentas exigirem um conhecimento técnico de TI, não apenas esses profissionais podem se beneficiar, mas também outras áreas que trabalhem de maneira integrada com a equipe de especialistas, que podem ser administradores, desenvolvedores, cientistas ou analistas de dados. 

Como funciona?

Uma dúvida muito comum de quem ouve falar pela primeira vez de Big Data é como funciona na prática. Basicamente, a ferramenta consiste em três passos básicos para que a utilização do banco de dados seja correta: integrar, gerenciar e analisar.

Integrar

A primeira fase é a integração dos dados, ou seja, coletar os dados e reuni-los em um único servidor, que possam ser acessados e analisados remotamente. Neste momento, as informações ainda estão brutas e, devido ao grande volume, não possuem muita utilidade para as empresas.

Gerenciar

Para que esses dados tenham alguma serventia, eles precisam ser gerenciados. É nesta fase que eles serão organizados e tratados pelo TI responsável. A tecnologia permite que esse gerenciamento seja realizado com rapidez.

Analisar

No último passo, essas informações serão analisadas pela equipe que solicitou o tratamento dos dados, pois as soluções de Big Data entregarão um resumo mais preciso do que é necessário.

Os 5 V’s do Big Data

imagem de uma ilustração dos 5v's do big data

O conceito de Big Data conta com cinco pilares para que sua execução seja possível são os 5 V’s definidos por Doug Laney: volume, velocidade, variedade, veracidade e valor. Entenda melhor cada um deles:

Volume

O primeiro e mais simples é o volume. Todo o motivo do Big Data existir é o fato de que há um grande número de informações disponíveis em todo o mundo: nos livros, na internet, nos arquivos das empresas. Logo, se faz necessário um conjunto de técnicas que reúna e classifique esses dados. 

Apenas para exemplificar, diariamente, são criados 2,5 quintilhões de dados – também chamados de bytes nos termos técnicos – pelas mais variadas fontes. Muitos deles podem ser úteis para os mais diversificados fins e, sem o Big Data, ficam perdidos. 

Velocidade

Se existe um número imenso de dados disponíveis, é fácil imaginar que manipulá-los ou analisá-los sem o apoio de ferramentas tecnológicas é uma tarefa bem complicada. Por isso, outro pilar do Big Data é a velocidade. 

Esse trabalho de transferência, armazenamento e tratamento de dados é realizado em alta velocidade. Não confunda, porém, com a qualidade da conexão da internet. A rapidez está relacionada ao modo como os dados são trabalhados, claro, com ajuda de ferramentas tecnológicas.

Variedade

Outra base é a variedade. Os dados não são todos iguais. Eles possuem diversas formas, tamanhos e até cores. Um vídeo é um dado, um documento de texto também, assim como fotografias, desenhos, números. 

O profissional que faz a análise destas informações deve estar ciente desta diversidade para saber como tratar cada uma delas.

Veracidade

Um dos principais desafios do cientista de dados é a veracidade dos dados. É claro que dentro deste volume gigante de informações nem todas serão corretas ou verdadeiras. Elas podem conter ruídos ou, nos casos menos graves, incompletos. 

Por esse motivo, a manipulação dos dados exige um nível elevado de entendimento sobre a natureza das informações, para que as análises gerem conhecimento, objetivo principal do Big Data.

Valor

Você já escutou aquele ditado popular de que “conhecimento é poder”? É justamente neste ponto que está o quinto pilar do Big Data. Os dados são o maior bem de um indivíduo ou de uma instituição. Não à toa têm surgido legislações, como a LGPD, que protege os dados pessoais. 

Sabendo utilizar essas informações armazenadas em seus bancos, as empresas podem ter diversos benefícios a partir do conhecimento que podem adquirir por meio de análises estratégicas e gerar valor agregado. Inclusive, os dados podem ser importantes aliados para aumentar a competitividade da empresa e gerar retorno financeiro. 

Qual é a importância do Big Data?

imagem de duas pessoas sentadas segurando um tablet

A importância do Big Data, em resumo, é a possibilidade de manipular e organizar todos os inúmeros dados disponíveis. Esse conjunto de técnicas, ao lado de ferramentas tecnológicas especialmente desenvolvidas com esse fim, traz então a possibilidade de análises mais precisas, que podem ser utilizadas estrategicamente para encontrar insights ou novas ideias para o negócio.

Essa tecnologia permite ainda que as empresas extraiam informações complexas, fazendo cruzamentos, correlações e comparações. Para isso, é importante entender os tipos de dados existentes: estruturados (multi-estruturados) ou não-estruturados. 

Dados não estruturados

Os bancos de dados se acostumaram a interpretar certos tipos de informações, mais comuns durante um determinado período de tempo. Entretanto, ao longo dos anos, novos formatos surgiram, dificultando a análise dos dados. 

Quando eles não são interpretados corretamente ou não são analisados de nenhuma forma pelos bancos de dados tradicionais, eles são considerados dados não estruturados. Em sua maioria, são textos. Um exemplo são os tuítes postados na rede social Twitter.

Dados estruturados (ou multi-estruturados)

Se existem alguns dados que não são compreendidos pelos bancos de dados, outros são identificados facilmente. Assim, a análise e manipulação deles são mais simples. Esse tipo de dado é chamado de estruturados ou multi-estruturados. Geralmente, são mais organizados e mais completos.

Os especialistas entendem que eles são fruto das interações entre os seres humanos e as máquinas. Ou seja, são dados derivados do comportamento de usuários em plataformas web ou mídias sociais.

Normalmente, misturam em sua estrutura: texto, imagens, formulários e outras informações adicionais. 

Com o avanço da tecnologia, é possível que, cada vez mais, novos formatos surjam dentro desta categoria de dados estruturados. 

Quais são os benefícios do Big Data para os negócios?

Existem diversas oportunidades para as empresas que desejam utilizar o Big Data em seus negócios. Como já falamos, possuir informação é uma vantagem competitiva e saber como utilizá-la é o que vai fazer a diferença para a empresa.  

Os benefícios do Big Data transitam entre o aumento da produtividade (ao analisar mais dados em um menor período de tempo), entender comportamento do cliente ou dos colaboradores, otimizar os processos, reduzir custos e, talvez o mais importante, identificar oportunidades de novos negócios. Ainda é possível conhecer sua concorrência.

Para dar um exemplo, algumas indústrias farmacêuticas já estão utilizando o Big Data com a inteligência artificial para identificar novas maneiras de utilizar moléculas inéditas ou não e assim desenvolver novos produtos. A rapidez com que o relatório de dados sobre um determinado assunto pode ser estudado facilita a rotina da equipe de Pesquisa e Desenvolvimento.

Esse filtro de informações baseado nos 5 V’s do Big Data permite analisar dados que, certamente, ficariam inacessíveis sem a tecnologia. 

Como aplicar o Big Data na sua empresa?

O Big Data pode ser aplicado em diversas áreas dentro de uma empresa. A premissa principal é de que este setor tenha a necessidade de analisar um alto volume de dados a fim de aumentar a eficiência do trabalho. 

As áreas que mais utilizam as ferramentas de Big Data atualmente são: Marketing, Controle de Qualidade, Financeiro, Logística, Pesquisa & Desenvolvimento, entre outros.

Para que a aplicação na empresa seja bem sucedida, é indispensável contar com uma equipe capacitada de analistas de dados e soluções tecnológicas de alta qualidade. Além disso, é essencial conscientizar toda a equipe envolvida no uso do Big Data sobre a importância do conceito e suas ferramentas.

O que é Big Data Analytics?

O Big Data é o conjunto de informações reunidas em um banco de dados e organizadas de acordo com os assuntos de interesse. Entretanto, todos esses dados sem um olhar estratégico não trarão nenhum benefício ou conhecimento. É aí que entra o Big Data Analytics, que consiste na análise dos dados para identificação de insights.

É, portanto, a junção de dois conceitos importantes: Big Data e Inteligência Analítica.  O analytics reúne todas as fontes de dados e faz as relações entre as informações. A partir daí, as métricas e relatórios podem oferecer subsídios para a tomada de decisão nas empresas. 

Benefícios dessa ferramenta para a gestão de pessoas

Apesar de não ser muito difundido, o Big Data  pode auxiliar nas atividades de gestão de pessoas, em especial, no setor de recursos humanos. Toda empresa possui um enorme banco de dados de informações sobre seus colaboradores ou talentos do mercado de trabalho. 

Assim como o Big Data permite entender o comportamento do consumidor e outros stakeholders externos, também é possível conhecer os funcionários da companhia e construir estratégias a partir destes aprendizados. 

Como o Big Data no RH pode ajudar as empresas?

imagem de duas pessoas apontando para um computador em cima de uma mesa

Com todo o conhecimento que o Big Data pode proporcionar, os gestores de RH podem utilizar essa vantagem para aprimorar seus processos e melhorar o relacionamento com o público de interesse (colaboradores, líderes e candidatos), construindo estratégias para melhorar o ambiente corporativo, o clima organizacional e o employer branding da companhia. 

Vantagens do Big Data para RH

São muitos os benefícios da utilização do Big Data no RH. Elencamos abaixo as principais aplicações do conceito para os profissionais do setor e suas vantagens: 

Contratações mais alinhadas

Um processo seletivo pode ser cansativo e demorado. Com um mercado de trabalho altamente competitivo, o número de currículos para cada vaga é bem grande e analisar um por um torna-se inviável. Com o Big Data Analytics, torna-se possível fazer um cruzamento de informações como idade, experiência, formação acadêmica, local de moradia, entre outras.

Assim, fica mais fácil filtrar aqueles candidatos que tenham mais o perfil da vaga aberta na companhia, reduzindo o trabalho e a busca dos recrutadores. 

Identificação de talentos

Uma função importante do RH é formar um bom banco de talentos, mesmo quando não há vagas disponíveis no momento. Afinal, nunca se sabe quando irá precisar substituir um colaborador ou abrir uma nova posição. Estar preparado para isso é um diferencial, pois os melhores talentos são muito disputados pelas empresas.

O Big Data auxilia nesta identificação de talentos, utilizando os parâmetros de consulta e monitorando os profissionais que mais se adequam ao esperado pela companhia. 

Redução de custos e erros operacionais

Sem dúvida, um dos principais benefícios do Big Data é a redução de custo e otimização dos processos, com a consequente diminuição de erros operacionais. As atividades rotineiras de recursos humanos são cansativas e, além de precisar de diversas ferramentas de trabalho, ainda necessita de muito tempo da mão-de-obra do profissional do setor. 

Utilizar o Big Data nos processos diários traz economia de todos os recursos: humanos, financeiro e tempo. Além disso, muitas tarefas que seriam realizadas manualmente pelo colaborador, ficam a cargo da tecnologia, reduzindo os erros. 

Retenção de talentos

Altas taxas de turnover nunca são um bom sinal para as empresas e quando isso ocorre acende um alerta para os responsáveis pela gestão de pessoas. A pergunta principal é: “Qual motivo está fazendo tantos talentos deixarem a empresa?”.

O Big Data pode ajudar a responder essa pergunta, ajudando a identificar padrões de comportamento, que podem ser o motivo do pedido de demissão ou da dispensa dos colaboradores. 

A partir dessa análise, torna-se possível tomar atitudes para reverter a situação e melhorar o índice de retenção de talentos da empresa.

Avaliação de desempenho

Uma das principais vantagens do conceito para o RH é a análise dos colaboradores da empresa. Assim como o marketing utiliza para conhecer seu cliente ou público-alvo, na gestão de pessoas, o Big Data pode auxiliar nos insights sobre potencial e desempenho dos profissionais da empresa. 

Os dados podem indicar se os recursos estão sendo bem utilizados, se o investimento na equipe está trazendo o retorno esperado ou se é preciso investir em treinamentos específicos e até apontar a necessidade de contratação de mão-de-obra especializada.

Conclusão

imagem de uma pessoa segurando uma prancheta com gráficos

Em resumo, o Big Data é um conceito que consiste em um conjunto de técnicas e ferramentas tecnológicas utilizados para realizar análises rápidas e eficazes de um volume elevado de dados, dentro de um banco ou sistema.

Esses cruzamentos e relatórios de informações podem ser utilizados para melhorar os resultados de negócio da empresa em diversos setores, como Marketing e Recursos Humanos, por meio de insights criativos e identificação de padrões de comportamento.

Gostou deste artigo? Acompanhe o blog do PontoTel e confira mais assuntos como esse.

banner conheça o aplicativo pontotel

Compartilhe em suas redes!
Rolar para cima