Entenda o que é a diversidade LGBT+ e saiba como promover na sua empresa!

imagem de uma pessoa segurando um coração pintado com as cores da bandeira lgbt+

A diversidade LGBT+ é um grande desafio para as empresas, pois é um processo que requer envolvimento dos gestores e do RH para mudar a cultura da organização e incluir todas as pessoas.

Empresas que adotam a diversidade em seus negócios tendem a ter melhores resultados. Tendo em vista a relevância desse tópico, criamos esse artigo para mostrar a importância da diversidade LGBT+ nas empresas.

Veja os temas que serão abordados:

Ficou interessado em saber como as empresas podem promover a diversidade LGBT+? Acompanhe o texto!

banner conheça o aplicativo pontotel

O que significa a sigla LGBT+?

imagem de um fundo preto com manchas de tintas com as cores da bandeira lgbt+

O movimento sócio-político-cultural LGBT+  surgiu com o propósito de combater o preconceito e a homofobia da sociedade com as pessoas que fazem parte desse grupo. 

A sigla LGBT+ é usada para denominar lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais ou transgêneros e outras variações de sexualidades e identidades de gênero

Para entender o significado da sigla, é preciso saber que ela é dividida em três partes:

LGB = compreende à orientação sexual do indivíduo;

T (e as outras variações) = diz respeito ao gênero.

+ = O símbolo + é usado para identificar outros grupos e variações de sexualidade e de  gênero, como os pansexuais, assexuais, gênero fluido, gênero neutro e outros por exemplo. Para alguns, pode ser apenas uma sigla, mas o seu principal objetivo é incluir e representar mais pessoas através do movimento e das pautas defendidas.

Vamos entender o que significa cada sigla:

L: Lésbica, mulheres que se identificam como mulheres e sentem atração sexual por mulheres;

G: Gays, homens que se identificam como homens e sentem atração sexual por homens;

B: Bissexuais, são pessoas que possuem preferências sexuais pelos sexos femininos e masculinos;

T: Transexuais, travestis e transgêneros, são pessoas que não se identificam com o gênero atribuído em seu nascimento baseado nos órgãos sexuais (feminino ou masculino).

Mudanças na sigla do movimento

O termo GLS (Gays, lésbicas e simpatizantes), criado em 1994 caiu em desuso, pois os simpatizantes poderiam ser qualquer pessoa que apoiasse a causa e isso tirava o protagonismo do movimento.

Em 1980 surgiu o termo LGB. Nessa sigla o termo “gay” era usado para abranger e representar os outros integrantes da comunidade, entretanto a sociedade percebeu que usar o termo “gay” não era correto, então em 1990, foi adicionada a letra T (LGBT).

No Brasil, a sigla LGBT foi aprovada em 2008 durante a 1º Conferência Nacional GLBT, quando foi feita a troca do termo GLBT para LGBT.

A sociedade percebeu que existiam pessoas fora do movimento que ainda sofriam preconceito por não estar dentro dos padrões da sociedade, por isso foi necessário alterar a sigla. 

Atualmente, a sigla correta é LGBTQIA +, vamos ver o significados dos novos termos.

Q: Queer, pessoas que transitam entre os “gêneros”. Elas não concordam com os padrões e rótulos impostos pela sociedade. Essas pessoas podem não saber definir qual o seu gênero/orientação sexual.

I: Intersexuais, são pessoas que possuem variações nos órgãos sexuais, as alterações podem ser nos cromossomos ou órgãos genitais. Ou seja, não é possível determinar se a pessoa é do sexo feminino ou masculino, pois elas não se enquadram na norma binária. Antigamente, elas eram consideradas hermafroditas.

A: Assexuais, esse grupo não sente atração sexual por outras pessoas, independente do gênero e existem diferentes níveis de assexualidade.

Principais desafios que o movimento LGBT+ enfrenta no mercado de trabalho

É evidente que as pessoas LGBT+ enfrentam ainda muitos preconceitos. Hoje em dia, vemos que esse já é um assunto mais discutido, mas que ainda existem muitas barreiras que o envolvem. 

Uma das principais dificuldades é o ingresso e permanência no mercado de trabalho, pois algumas empresas ainda são muito conservadoras, por isso muitos funcionários ainda têm medo de “assumir” a sua orientação sexual por temerem algum tipo de constrangimento ou prejudicar a carreira.

O preconceito surge, muitas vezes, já no processo seletivo para as vagas, pois as empresas não dão chances para os LGBT+. 

As pessoas que se identificam como tans têm mais dificuldades em avançar nos processos seletivos e a maioria não está presente no mercado de trabalho formal. E, quando elas conseguem ingressar em alguma empresa, encontram ambientes inseguros e colegas de trabalho e, até mesmo, gestores com comportamentos inadequados.

O preconceito é um reflexo da sociedade atual e de como ela lida com a diversidade. Diante desses cenários, muitas pessoas preferem não falar sobre a sua orientação sexual no ambiente de trabalho, pois isso pode prejudicar a sua permanência e desenvolvimento na empresa.

Outras dificuldades que o grupo encontra são:

  • Dificuldade para o uso do banheiro público;
  • Uso do nome social ao se apresentar e os documentos estarem com nome de registro. Nesses casos, algumas empresas, não seguem com a contratação;
  • Atendimento médico no SUS – os médicos não estão preparados para atender as pessoas do grupo;
  • Estereótipo de doenças como DST ou HIV;
  • Invalidação da sexualidade;
  • Ser vítimas de agressões verbais e físicas;
  • Violência sexual;
  • Discriminação e violência levam os integrantes a abandonarem os estudos.

Houve muitos avanços na sociedade sobre a discussão da sexualidade, entretanto ainda é preciso quebrar muitos padrões e incluir essas pessoas no ambiente social.

Discriminação

A discriminação ainda é muito presente no mercado de trabalho, ela vai desde comentários homofóbicos, discriminação nos processos seletivos até o uso dos espaços sociais na empresa. 

Privar as pessoas das oportunidades no mercado de trabalho, é negar os princípios básicos em relação à participação na sociedade como cidadãos, porém ainda é um cenário muito comum na sociedade.

Resistência para chegar a cargos mais altos

Segundo um estudo realizado pela Santo caos, 38% das empresas brasileiras não contratariam pessoas do grupo LGBTQIA + para cargos de liderança

Por isso, ainda existe uma grande resistência em contratar pessoas do grupo e a sua permanência na empresa. Quando a contratação é feita, a pessoa pode permanecer no mesmo cargo por anos, sem perspectiva de desenvolvimento por causa da sua orientação sexual.

A importância da diversidade LGBT+ nas empresas

Adotar a diversidade LGBT+ na empresa não é um processo simples. Entretanto, é necessário criar uma cultura organizacional que visa o respeito aos grupos minoritários.

Se a empresa possui diversidade, não significa que ela está dando prioridade na seleção para alguma pessoa específica, mas sim que todos possuem as mesmas oportunidades e não serão descartados.

Quando a empresa não possui uma cultura voltada para a diversidade LGBT+ ela pode perder profissionais capacitados e agir dessa maneira demonstra que ela não respeita o indivíduo e o livre arbítrio.

A diversidade LGBT+ é importante para as empresas e para as pessoas que fazem parte da organização, pois a contratação de um colaborador deve ser vantajosa para ambas as partes, por isso mostre que a empresa respeita e acolhe todos os indivíduos.

Como promover a diversidade LGBT+ na empresa?

imagem de uma pessoa segurando um broche da bandeira lgbt+

No mercado de trabalho o preconceito impacta no processo de gestão de pessoas, no que tange o desenvolvimento e promoção dos colaboradores. E dificulta o processo de tomada de decisão, causando desigualdade no acesso às oportunidades.

As empresas precisam proporcionar lideranças mais inclusivas que vejam essa questão com a seriedade e o respeito necessários. É importante que os líderes busquem políticas de inclusão, retenção, desenvolvimento e engajamento das pessoas.

Vamos ver como a empresa pode promover a diversidade LGBT+.

Crie um programa de Diversidade e Inclusão

As empresas devem criar programas de iniciativas à diversidade e inclusão de todas as pessoas. Faça um diagnóstico do cenário atual da empresa, crie estratégias de melhoria como, treinamentos, comunicação eficiente, grupos de trabalho sobre diversidade e inclusão.

Se a empresa está resistindo em criar esses programas, é preciso lembrar que com isso a organização pode perder a oportunidade de ter profissionais capacitados que vão ajudar no desenvolvimento do negócio.

Criando esse programa, ela demonstra estar preocupada com a inclusão, e os colaboradores se sentirão mais acolhidos e pertencentes à empresa.

Desenvolva uma campanha de conscientização contra o preconceito

Para promover a diversidade LGBT+, as empresas devem garantir que não haja discriminação nos processos de contratação e no ambiente de trabalho. Por isso é necessário criar campanhas de conscientização (grupos de trabalhos sobre diversidade, palestras e treinamentos).

As políticas adotadas devem ter o objetivo de educar os funcionários sobre a diversidade LGBT+, não desrespeitar os indivíduos e buscar igualdade entre as pessoas.

Promova diversos perfis aos cargos de liderança

Contratar pessoas LGBT+ não é o suficiente para se ter diversidade. A empresa, junto com os gestores e RH, devem estar dispostos a criar um ambiente de trabalho seguro para que os funcionários queiram permanecer na empresa.

É importante que a contratação não se limite apenas a cargos menores, a diversidade na organização deve estar presente em todos os níveis hierárquicos. Por isso, identifique quais cargos precisam ser mais diversos e desenvolva metas de diversidade e inclusão para preenchê-los.

Estabeleça uma política de anti-discriminação

Uma política de anti-discriminação é um processo essencial para adotar a diversidade LGBT+ nas empresas. Não é obrigatório, porém quando é adotada ela define quais comportamentos são aceitáveis ou não e em caso de discriminação, ela informa quais serão as punições.

Para a política atingir o objetivo, é necessário realizar uma comunicação eficiente, mostrar aos funcionários que a política é levada a sério e que no ambiente de trabalho não serão toleradas atitudes discriminatórias.

Combata a LGBTfobia Institucional

A LGBTfobia institucional são comportamentos e práticas discriminatórios que ocorrem em instituições públicas ou privadas, esses comportamentos podem ser velados ou não.

Por isso, sempre que houver algum ato preconceituoso ou assédio contra os LGBT+ é necessário interferir e corrigir a pessoa. Se a empresa possuir políticas anti-discriminatórias, denuncie sempre os casos de LGBTfobia.

Conscientize os cargos mais altos sobre a importância da diversidade LGBT+

O programa de diversidade LGBT+ deve incluir a alta liderança da organização, pois eles são responsáveis por contratar e desenvolver as pessoas que fazem parte do grupo.

Crie metas para que os gestores desenvolvam relatórios sobre a diversidade e transparência nos cargos. Os gestores devem ser os defensores da diversidade LGBT+, promover conversas sem censura entre os membros da equipe.

Estabeleça limites para a equipe e seja um exemplo, esteja sempre disposto a ouvir os funcionários e analise aquilo que não é dito.

Quais os benefícios da adoção de práticas de diversidade LGBT+?

imagem de uma mulher sorrindo segurando a bandeira lgbt+

Vimos que a diversidade LGBT+ é, de fato, muito importante para o desenvolvimento das empresas e dos colaboradores. Uma empresa diversa possui muitos benefícios, como:

  • Funcionários mais engajados;
  • Sentimento de pertencimento;
  • Colaboradores mais criativos e com ideias de inovação;
  • Redução de conflitos.

Praticar a diversidade LGBT+ mostra que a organização está preocupada com a causa do movimento e que respeita os indivíduos de acordo como cada um é.

Vamos ver outros benefícios sobre a diversidade LGBT+.

Atração de talentos

Quando a empresa cria políticas de diversidade LGBT+, que respeitam os indivíduos no processo de contratação e desenvolvimento dentro da empresa, ela dá a oportunidade de atrair pessoas talentosas para a empresa sem se preocupar com a aparência, o importante é a capacidade profissional.

Retenção de talentos

As empresas devem criar políticas para desenvolver os funcionários LGBT+, como dissemos, não deve apenas contratar o funcionário e achar que isso é diversidade, é importante dar chances para ele se desenvolver como profissional e crescer na carreira. 

Assim o colaborador sente que faz parte da empresa e que ele é importante para o crescimento.

Fortalecimento da marca empregadora

As empresas que praticam a diversidade LGBT+ ganham visibilidade no mercado, pois mostra como ela se preocupa com o bem-estar dos funcionários. Quando os colaboradores falam muito bem do clima organizacional incentiva a atração de novos talentos.

Conclusão

A inclusão de LGBT no mercado de trabalho ainda enfrenta muitos preconceitos, mas vimos, ao longo deste artigo a importância de quebrar padrões e olhar para essas causas com mais sensibilidade.

Certamente, adotar a diversidade LGBT+ não é uma tarefa fácil e que requer muito comprometimento das organizações, mas ela é de extrema importância para dar oportunidade para as pessoas que estão nesse grupo.

Quanto mais empresas adotarem a diversidade, mais cedo teremos uma sociedade onde todos serão incluídos e respeitados.

Gostou do nosso post? Compartilhe nas redes sociais!

banner descubra a taxa de absenteismo

Compartilhe em suas redes!
Rolar para cima