Job rotation: conheça as principais vantagens desta estratégia e saiba como implantar na prática!

imagem de um homem e uma mulher em pé olhando para um tablet

Apesar de ser um conceito criado recentemente, o job rotation já tem sido adotado por várias empresas no Brasil. 

O termo foi inserido no país através de multinacionais que se instalaram por aqui e já é usado por empresas de diferentes setores. 

Por isso, muitas companhias que ainda não utilizam essa estratégia têm curiosidade de entender como essa estratégia funciona e como ela pode ser colocada em prática.

Pensando nisso, neste artigo vamos te explicar os principais pontos sobre o tema. Assim, será mais fácil decidir se vale a pena implementar esse programa na sua empresa ou não.

Para atingir esse objetivo, vamos discutir os seguintes tópicos:

Vamos lá?

banner como funciona o software de ponto mais completo

O que é o Job Rotation?

Job rotation é um termo em inglês que, em tradução livre, significa rotação ou rodízio de trabalho. Mas o que isso significa?

Basicamente, job rotation é uma estratégia de aprimoramento profissional que pode ser adotada por uma empresa. Essa estratégia consiste em submeter o funcionário a uma espécie de “rodízio de setores”. 

Ou seja, ele vai trabalhar por tempo determinado em diferentes departamentos da companhia. À princípio, essa estratégia pode parecer prejudicial ao trabalho do setor e do próprio funcionário. 

Afinal, os departamentos não contam com um quadro fixo e conhecido de colaboradores e o próprio funcionário não atua apenas na área na qual possui mais conhecimento. 

Porém, as vantagens da implementação dessa estratégia têm feito cada vez mais empresas investirem nesse intercâmbio corporativo. 

Nesse modelo de trabalho, além de conhecer melhor o trabalho da empresa, o colaborador também pode desenvolver melhor seus hard e soft skills

Além disso, eles ampliam seu conhecimento sobre a empresa e ainda têm mais oportunidades para crescer na carreira. 

Por outro lado, a empresa consegue descobrir novos talentos para determinadas áreas de atuação dentro da própria empresa, tornando a companhia mais atraente por conta dessa perspectiva de crescimento, entre outras vantagens.

Porém, para entender como essa estratégia é capaz de gerar tantos benefícios, primeiro precisamos lembrar como funciona o job rotation na prática.

Entenda abaixo!

Como funciona?

Como citamos anteriormente, a utilização da técnica do job rotation exige que a empresa permita que o colaborador trabalhe em diferentes setores. 

Assim, ele terá a oportunidade de desempenhar diferentes funções e aprimorar várias habilidades por um período determinado. 

O ideal é que ele passe por vários departamentos ao longo do tempo até fechar o ciclo de setores incluídos na estratégia. 

Porém, isso não pode ser feito de forma indiscriminada. 

Então, a empresa não pode exigir que um profissional de T.I. realize as mesmas funções que um engenheiro civil, por exemplo. 

A rotação de colaboradores deve ser feita com respeito ao conhecimento e às habilidades de cada um. Além disso, o ideal é que o funcionário assuma papéis que estejam alinhados ao seu nível profissional. 

Ou seja, o job rotation não se trata de uma promoção, mas de uma estratégia de aperfeiçoamento e descoberta. 

Sendo assim, a estratégia de rotação de funcionários deve ser bem desenhada para que se respeite todos esses pontos.

Principais vantagens do job rotation nas empresas

imagem de duas mulheres sorrindo sentadas na frente de um computador

Já citamos algumas vantagens dessa estratégia e agora vamos nos aprofundar nos benefícios do job rotation. 

Assim, fica mais fácil entender por que essa técnica virou uma tendência que tem conquistado companhias e profissionais.

Descoberta de novos talentos dentro da empresa

Contratar os profissionais adequados para os cargos certos é um dos grandes desafios da empresa. 

Afinal, além de apresentar as habilidades técnicas para desempenhar sua função, o ideal é que esse profissional também tenha soft skills alinhadas com a cultura da empresa.

Mas e se o profissional que você procura já compõe o quadro de funcionários da empresa?

Por isso, o job rotation é importante. Essa estratégia permite que o próprio profissional consiga mostrar ou descobrir alguma habilidade que a empresa tenha interesse. 

É importante lembrar que os funcionários muitas vezes são subestimados ao pensarem que eles são capazes de desempenhar apenas um papel. 

Nesse contexto, o job rotation oferece as oportunidades certas para ajudar a desconstruir essa crença, estimular a criatividade e incentivar o colaborador a desenvolver novas competências.

Maior conhecimento do negócio

Uma empresa eficiente muitas vezes é composta por vários departamentos. Embora os setores trabalhem em conjunto para concluir diferentes problemas, em muitos casos os funcionários interagem apenas com o universo de seu próprio departamento. 

Como não convivem ou não são apresentados a outras áreas da empresa e nem sabem ao certo o que cada um faz, eles têm uma visão limitada do negócio. 

E pior: podem não ter ideia de que seu trabalho faz parte de um todo e que faz diferença nos resultados da companhia.

Porém, quando o funcionário passa por um rodízio de trabalho, ele tem a oportunidade de conhecer outras partes da empresa e de interagir com outros colegas. 

Assim, além de entender melhor o fluxo de trabalho e as funções de cada setor, é possível reforçar a ideia de trabalho em equipe, onde cada funcionário e cada departamento é fundamental para o bom funcionamento do negócio.

Reduz o turnover

Reduzir a taxa de turnover é um dos grandes desafios enfrentados pelas empresas modernas. 

Por isso, criar um ambiente de trabalho mais dinâmico e que estimule o profissional a sair da zona de conforto é uma das formas para reduzir o turnover e reter talentos na empresa. 

E tudo isso pode ser estimulado através da implementação de um programa de job rotation.

Promove maior integração entre os colaboradores

A comunicação e o engajamento entre colaboradores e equipes nem sempre ocorre naturalmente. Por isso, é importante criar situações que promovam esse contato entre os integrantes da empresa. 

E uma das formas de estimular esse contato é a adesão de um programa de job rotation. 

Quando uma empresa utiliza essa técnica de rotação de funcionários, ela cria situações que favorecem não só a comunicação entre diferentes setores e funcionários, mas também de um fluxo de trabalho mais eficiente. 

Além disso, a rotação de trabalho também estimula a criação de um clima organizacional mais saudável

Afinal, ele incentiva a comunicação mais assertiva entre os próprios colaboradores, tornando os funcionários mais receptivos e dispostos a colaborar. 

Quais as desvantagens do job rotation?

Assim como outras estratégias corporativas, o job rotation também pode ter suas desvantagens. 

Em geral, os problemas podem ocorrer por falta de planejamento, erros na execução, dificuldade de adaptação, entre outros fatores. 

Vamos explicar alguns deles abaixo.

Necessidade de complementar a formação

Apesar de oferecer a oportunidade para que funcionários desenvolvam novas habilidades, apenas essa experiência não o torna apto para preencher a vaga no futuro. 

Na verdade, ele terá que complementar suas habilidades, que serão apenas superficiais, para exercer o cargo.

Aumento de gastos

Antes de iniciar o trabalho num novo setor, o colaborador deve ser submetido a um treinamento. Afinal, ele ainda não sabe muito bem como funciona o departamento. 

O problema é que o treinamento e o processo de aprendizado levam tempo e exige investimentos, que nem sempre retornam para a empresa na velocidade esperada.

Além disso, é importante lembrar que o funcionário escalado para rotação de trabalho também pode cometer erros. Em casos graves, isso pode desencadear problemas com clientes e prejuízos financeiros.

Desmotivação e insegurança

Por um lado, o job rotation oferece novos desafios e novos aprendizados aos profissionais. Isso pode ser estimulante especialmente para pessoas com perfis mais criativos, como os millenials e os jovens da geração Z.

Por outro lado, esse rodízio pode gerar insatisfação nos profissionais que não querem mudar de função, porque gostam e dominam sua área de atuação. 

Além disso, os colaboradores fixos de cada setor podem se sentir ameaçados pela chegada e troca constante de colegas.

Tudo isso pode deixar os funcionários insatisfeitos e desmotivados no trabalho, prejudicando a produtividade dos próprios profissionais e do setor como um todo.

Não há garantias de que a estratégia funcione

Embora ofereça muitos benefícios, a empresa não tem garantia de que a estratégia realmente terá efeitos positivos para o profissional e para a própria companhia. 

Afinal, diversos fatores influenciam no sucesso desse tipo de estratégia, como o planejamento, o perfil do colaborador e até o departamento onde ele deve atuar. 

Além do mais, é importante lembrar que essa estratégia não pode ser utilizada para resolver problemas de engajamento ou para aumentar a satisfação dos funcionários

Nesses casos, é importante entender a raiz do problema antes de adotar uma estratégia de intervenção.

Como implantar o job rotation na prática?

imagem de um homem e uma mulher conversando na frente de um computador e segurando um papel

Você já entendeu o que é job rotation, como funciona e quais são os prós e contras dessa estratégia. 

Mas como colocar esse conhecimento na prática? 

Entenda abaixo.

  • Avalie os colaboradores: o primeiro passo para colocar essa estratégia em prática é avaliar o perfil, as habilidades e competências de cada funcionário. Assim, o RH poderá criar uma escala de rotação personalizada para cada profissional, levando em consideração em quais setores ele pode ter mais sucesso;
  • Crie um planejamento lógico: o job rotation não pode ser feito de forma aleatória. O ideal é que ele seja planejado com cuidado, de forma lógica, para que a rotação seja feita de acordo com as necessidades e perspectivas tanto dos colaboradores quanto dos departamentos;
  • Prepare os envolvidos: o sucesso do job rotation também depende da preparação de setores e funcionários afetados pelo rodízio. Para isso, é essencial que os colaboradores aceitem participar do processo e entendam o plano, o objetivo e as funções que vão desempenhar. Além disso, os departamentos também devem ser informados sobre esse processo para se prepararem e traçarem seus próprios planos para auxiliar o funcionário;
  • Defina mentores: para facilitar esse processo, vale a pena designar um profissional de cada setor como um coordenador ou mentor que ficará responsável por acompanhar o funcionário no job rotation;
  • Analise os resultados: É impossível identificar o impacto dessa estratégia sem mensurar os resultados do programa. Por isso, é fundamental que o RH utilize métricas de avaliação de desempenho e que recolha feedbacks dos profissionais envolvidos. Com essas informações, fica mais fácil avaliar o impacto do job rotation na empresa e até identificar novos talentos.

Principais desafios no processo

Como mostramos acima, o processo de implementação da rotação de trabalho dentro da empresa exige muito cuidado para que ocorra com sucesso. Para isso, colaboradores, gestores e RH precisam enfrentar vários desafios, tais como:

  • Identificar as potencialidades de cada funcionário disposto a participar do processo;
  • Definir o tempo ideal para que o colaborador permaneça em cada setor;
  • Entender qual o melhor momento para implementar o plano na empresa;
  • Identificar quais setores estão aptos para participar dessa estratégia;
  • Encontrar uma forma eficiente de organizar o que foi aprendido durante o processo. Assim, será mais fácil otimizar e corrigir o próximo ciclo de job rotation;
  • Tornar o job rotation uma política da empresa, que faz parte da sua cultura organizacional;
  • Avaliar o retorno financeiro da implementação dessa estratégia. Caso esse retorno não seja satisfatório, é melhor cancelar o programa para evitar perdas financeiras;
  • Avaliar o engajamento e a integração dos envolvidos no processo. Em caso de muita insatisfação, pode ser necessário cancelar ou refazer o planejamento.

Por que aderir ao job rotation?

Diante de todas essas informações, agora você pode estar se perguntando: será que vale a pena mesmo implementar o job rotation na minha empresa?

A verdade é que embora tenha seus desafios e desvantagens, o job rotation também pode motivar os colaboradores, aumentar a integração entre os funcionários, te ajudar a descobrir novos talentos, entre outras vantagens que citamos acima.

Então, por que não tentar? 

Afinal, assim como outras estratégias de aprimoramento profissional, você só vai descobrir o impacto do job rotation na empresa após a sua implementação. 

E como existe a possibilidade de ter resultados positivos para o clima organizacional e para o futuro do negócio, vale a pena testar essa estratégia na prática.

Conclusão

imagem de um grupo de pessoas ao redor de uma mesa conversando e olhando para um computador

A estratégia do job rotation pode gerar vários resultados positivos na empresa. Como vimos ao longo do texto, a integração entre os funcionários, a redução do turnover e a motivação dos colaboradores, são apenas alguns exemplos desses benefícios.

Porém, assim como outros programas de aprimoramento profissional, sua implementação também exige a superação de desafios. Além disso, o job rotation também pode ter suas desvantagens.

Sendo assim, vale a pena avaliar o tamanho da empresa, o nicho do negócio, o perfil dos profissionais e a disponibilidade de tempo e recursos para investimento, entre outros fatores, para confirmar se é possível testar essa estratégia dentro da companhia.

Gostou do artigo? Conheça outras estratégias utilizadas pelo RH no Blog da PontoTel!

banner calculo de horas

Compartilhe em suas redes!
Rolar para cima